Arquivo março, 2013

Formatura

Bernardo (filho de Adriana B. Oliveira Faver e Marcelo Bertolin Faver) colou grau em mecânica pelo IFET/JF Sudeste M6. A solenidade aconteceu no Cine-Theatro Central.

Bernardo de Oliveira Faver

O inteligente, pra completar, foi aprovado em engenharia elétrica na UFJF.

Semana Santa
Siga o fechamento da Semana Santa em Bicas…

Sexta-feira da paixão
05h30 – Procissão Penitencial saindo da Igreja Matriz para a Capela do Menino Jesus (bairro Edgar Moreira).

10h às 11h30 – Confissões individuais na Igreja Matriz para os visitantes e turistas.

12h – Terço da Misericórdia e ofertas de ervas aromáticas ao Senhor Morto na Igreja Matriz (Apostolado da Oração e GOSTS).

15h – Via Sacra na Água Santa sob a responsabilidade da Angélica e Pastoral da Juventude.

15h – Celebração da Palavra, Oração Universal, Adoração da Cruz, Comunhão na Matriz (Coral Santa Teresinha).

20h – Descendimento da Cruz na escadaria da Igreja Santo Antônio e procissão com o Senhor Morto para a Igreja Matriz (Coral Luz Divina).

(A relíquia do Senhor dos Passos será ofertada a todos que participarem da Procissão com o Senhor Morto.)

Sábado Santo e da Aleluia
09h – Oração e benção dos túmulos (Jorge Batista).

16h – Celebração da Ressurreição sob a responsabilidade dos coordenadores das comunidades: Santa Helena, Val Paraíso, Machados,  Santa Rita/Passo da Pátria, São Manoel, Bananal e Fazenda Reconquista.

19h – Benção do Fogo na praça São José, missa e batizados na Igreja Matriz (Coral Cantando para Jesus).

Domingo da Páscoa e Ressurreição
05h – Procissão com o Santíssimo saindo do cemitério com missa festiva na Igreja Matriz (Cantores de São José).

08h – Missa festiva na Igreja Santo Antônio (Coral Luz Divina).

10h – Missa festiva na Igreja Matriz com as crianças da catequese paroquial sob a responsabilidade da Rosália, Cidinha Croce, Penha e Marilene.

16h – Adoração ao Santíssimo nas seguintes localidades: Capela São Frei Galvão e São Peregrino, Capela N. Sra. das Graças, Capela N. Sra. de Fátima.

No período da tarde, visitas à Gruta N. Sra. da Água Santa.

19h – Procissão do Triunfo na praça São José, Missa na Matriz, Coroação de Nossa Senhora e benção com o Santíssimo Sacramento (Coral da Renovação Carismática). Coroação pela Catequese.

Fonte: http://paroquiasaojosebicas.webnode.com.br/

A hora do planeta

O Zine Cultural em sua página na Tribuna de Minas, e no site igualmente, pregou nota sobre “A hora do planeta”, promovida pelo WWF-Brasil…  Uma ONG participante de uma rede internacional comprometida com a conservação da natureza dentro do contexto social e econômico brasileiro.

A parada consiste em apagar a luz por uma hora, e adeptos assim o fizeram sábado, dia 23 de março, das 20h30 às 21h30.

A matéria citou a Bruna (filha do Cristiano e da Latife Farhat) e Rosane Martins.

Saiu assim, ó…

Pequenas atitudes que fazem a diferença
Bruna Farhat escolheu como tema de seu mestrado em Ambiente Construído na UFJF “As fachadas bioclimáticas”, que inclui o estudo de sistemas que proporcionam a troca de ar e resfriamento dos edifícios durante a noite, para a diminuição do uso de ar condicionado durante o dia. A arquiteta acredita no futuro dos edifícios ecologicamente corretos. “Pela questão ambiental, economia de energia elétrica, redução dos gastos com manutenção do imóvel – que recupera o investimento inicial – e pela conquista do consumidor que se preocupa com o meio ambiente”, comenta.

Bruna Farhat

Rosane Martins se engaja em questões sócio-ambientais na construção de sua casa, em Bicas. Além do cuidado de só comprar materiais produzidos por empresas ecologicamente corretas, optou por uma arquitetura estrategicamente calculada para aproveitar a ventilação natural, energia solar e a captação de água. “A água suja vai ser tratada com filtros biológicos e, depois, reaproveitada”, conta.

Boa ação

Correio eletrônico

A CZA recebeu e-mail da leitora Terezinha M. Lhamas Fuziy (terezalhamas@gmail.com) expressando ter feito pesquisa por aqui e encontrado nota com o nome da sua professora do 2º ano primário no antigo Grupo Escolar Coronel Joaquim José de Souza (atualmente, escola municipal).

Terezinha quer se valer da coluna para enviar grande abraço e saudações biquenses para Marília Bianco, até por que descobriu que a mestra faz níver por esses dias.

SOPA
Tendo em ponto a aniquilação de bichos em Bicas, é preciso dizer da Sociedade Protetora dos Animais, presidida pela Eliane Cristina Schettino Coelho. Uma equipe de altruístas (e agregados) da SOPA têm se-virado-não-sei-como para atender a procura.

Forma dita, a entidade precisa de grana para tocar as atribulações, e o estabelecimento é o Banco do Brasil, agência, 0174-0, conta-poupança: 10.008.228-9.

Para mais informações: www.facebook.com/SopaBicasMg.

Recordar é…

Viver a reprodução do bilhete da loteria federal do dia 23 de maio de 1984. Bicas foi homenageada por intermédio de uma foto do “Centro Cívico D. Ássima Farhat”, prédio que abriga a prefeitura.

(O peça foi enviada à CZA pelo Waldonir da Silva Cândido.)

Bicas na federal

80 anos

Dona Zilá Machado Tavares, 80 anos... Na pose com os filhos Rodrigo, Carmen e Ivanzinho

Bodas de Ouro

Carmen e Jorge Riani, em Bicas, no Pallazzo di Fiori

90 anos

Ivonilde Mendes Maia da Silva (Dona Didi), 90 anos... Com Alcimar (genro), Solange (filha), aniversariante, Anderson (filho), Regina (filha) e Ederval (genro)

Extermínio de cães

Extermínio de cães assusta população de Bicas

Cerca de 80 animais já foram mortos após comerem pães e carnes com veneno; Polícia Civil e Ministério Público investigam os casos, mas nenhum suspeito ainda foi encontrado

Por Guilherme Arêas 

Pães envenenados

O extermínio de cães no município de Bicas, a 40 quilômetros de Juiz de Fora, está mobilizando a população local, de pouco mais de 13 mil habitantes. Em um período de um mês e meio, segundo a Secretaria de Meio Ambiente da cidade, foram quase 80 animais mortos após comerem alimentos envenenados. As ações criminosas, que antes restringiam-se aos cachorros de rua, estão vitimando também os domésticos. Em um único dia, o caminhão de lixo da Prefeitura teria recolhido 18 animais mortos. A Polícia Militar registrou dezenas de boletins de ocorrência, mas até agora nenhum suspeito foi localizado. A própria população conseguiu apreender pães que continham um líquido rosa em seu interior, provavelmente o veneno, jogados a animais de rua. Também há relatos de moradores que viram cachorros morrerem após comer um bolo de carne moída recheado com um produto branco. Outras formas de envenenamento estão sendo analisadas.

(A população de Bicas é de 13.653 habitantes, conforme o último censo do IBGE de 2010, e não de cem mil, como foi informado anteriormente)

“Os animais morrem em, no máximo, 20 minutos”, diz a fundadora e presidente da Sociedade Protetora dos Animais de Bicas, Eliane Cristina Schettino Coelho. “Sensibilizados, vários moradores estão atuando como olheiros, principalmente durante as madrugadas, na tentativa de identificar o criminoso. No domingo retrasado, houve uma matança absurda. Peguei algumas injeções e saí aplicando nos cachorros atacados. Alguns eu consegui salvar; a maioria, não”, conta Eliane. Segundo ela, a população biquense está mobilizada com os casos, que têm ocorrido com mais frequência durante os finais de semana. “O programa ‘Boca no trombone’, da Rádio Nossa FM, está dedicando atenção especial ao assunto. Vários ouvintes ligam chorando, pois perderam seus animais. Uma mãe enviou uma carta à rádio relatando que o filho adoeceu depois que mataram o cachorro da família.”

Nas redes sociais, a mobilização também ganha força. Na página no Facebook “Direito dos animais”, a imagem dos pães envenenados e de um cão morto no meio da rua foi compartilhada por mais de 17 mil pessoas em pouco mais de 18 horas. A família do fotógrafo Ricardo Rossi foi uma das afetadas pelos ataques. O vira-lata do cunhado dele morreu na última sexta-feira. “Ele estava na varanda de casa, quando alguém passou e jogou alguma coisa para ele comer. Ele morreu na hora. Era um cachorro que estava há dez anos com a família.”

Força-tarefa

Uma espécie de força-tarefa está sendo montada por vários órgãos para tentar identificar o(s) autor(es). A Polícia Civil recolheu os alimentos contaminados, que serão encaminhados para perícia em Juiz de Fora ou em Belo Horizonte. O delegado Sérgio Lana abriu inquérito para investigar o caso e já ouviu cinco donos de animais mortos. Nenhuma informação, no entanto, aponta características do suspeito. “Pelo grande número de casos, é impossível que ninguém tenha visto.” A autoridade policial pede que qualquer informação seja passada à Polícia Civil, mesmo que de forma anônima pelo 181 (Disque-Denúncia Unificado – DDU). O laudo técnico da perícia deverá apontar que tipo de substância foi adicionada aos alimentos usados na matança.

A vereadora Beth Gouvêa (PSDB), que está acompanhando o caso de perto, lembra que há cerca de 12 anos, a cidade registrou o extermínio de 120 animais em uma única noite. “Foram dois dias após uma passeata do dia de São Francisco de Assis (comemorado em 4 de outubro). Há cerca de quatro anos tivemos um episódio parecido. Mas, desta vez, o autor desses ataques está desafiando a polícia, o Ministério Público e a Sociedade Protetora dos Animais, pois essas mortes já vêm ocorrendo desde antes do carnaval.”

A promotora de Justiça Flávia Maria Carpanez de Mello também está investigando o caso, mas preferiu não passar informações sobre o andamento dos trabalhos. Conforme a secretária municipal de Meio Ambiente de Bicas, Marina de Jesus Afonso, uma reunião na próxima quarta-feira deve orientar os novos rumos do caso. “Precisamos da união de várias forças. A Polícia Militar registrou praticamente um BO para cada morte, mas o culpado ainda não foi encontrado.” A lei 9.605/98 prevê detenção e multa a quem maltrata animais. O tempo de prisão pode passar de um ano no caso da morte dos bichos.

Fonte: jornal Tribuna de Minas – 18 e 19 de março de 2013

Toque

A CZA vai dar um toque na Karoline Rocha Alhadas (filha da Rita e do Buré)… Ela é turismóloga formada pela Universidade Federal de Juiz de Fora e, atualmente, trabalha com consultoria técnica nas áreas de turismo e meio ambiente.

Em Minas e do Rio, elabora e executa projetos turísticos; de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos; de Educação Ambiental; Socioambiental do Sistema de Esgotamento Sanitário; de Usinas de Triagem e Compostagem de Resíduos Sólidos; de Manejo das Áreas Verdes; Ambientais de Conservação e Uso de Reservatórios Artificiais de Pequenas Centrais Hidrelétricas.

Coordena atividades desenvolvidas em escolas, comunidades e tal, além de palestrar em prefeituras, empresas e instituições.

Na sequência, algumas cidades e empresas que provam incontestavelmente a lisura e competência da profissional Karoline: Bicas, Argirita, Recreio, Laranjal, Rio Preto, Tocantins, Teixeiras, Guarani, Rio Novo, Dona Euzébia, Piau (MG), Paraty (RJ), Votorantim Energia e Brookfield Energia Renovável.

Gostou… Tá precisando… Manda bala: karolalhadas@hotmail.com, (32) 8819-2700, (32) 8483-0068 ou (32) 3271-1211.

Mestrado

Mariana (filha de Leda Márcia e André Luiz Dias Rossi) concluiu resplandecentemente mestrado em biologia pela UFJF.

Mariana Rossi

Página espírita
O canal holdernes.webnode.com foi construído para divulgar os temas circulados na II Semana Espírita de Bicas promovido por todas as casas espíritas da cidade.

O site igualmente maneja textos, vídeos e livros eletrônicos das obras básicas do kardecismo.

Formatura
No La Rocca, em JF, João Paulo Lanini Mariano (filho de Angela Lanini e José Mariano) colou grau em administração pela Faculdade Metodista Granbery.

João Paulo, Mariano, Angela e Juliana (irmã)

L. F. Veríssimo
“Viva todos os dias de sua vida como se fosse o último. Um dia, você acerta.”

“O Danilo até louvor de igreja canta”

A jovem dá a conhecer o outro lado do defesa brasileiro do FC Porto

Clarice Sales é uma jovem de 20 anos, natural de Bicas, Minas Gerais, que deixou a família, os amigos, o trabalho e o curso no Brasil para acompanhar o namorado Danilo, lateral-direito do FC Porto, na mudança para Portugal. Mas, depois de se terem conhecido num cemitério, há cerca de oito anos, nunca mais se largaram e ao fim de meia dúzia de anos resolveram assumir o namoro e investir numa relação séria com planos futuros. A viver há pouco mais de seis meses no Porto, Clarice ainda está em fase de adaptação, tanto em termos culturais, como de vida em comum com o defesa dos dragões, segundo a própria, extremamente vaidoso, tranquilo e com uma queda para o pagode. “Ele acha que é cantor”, comenta a simpática brasileira, entre risos…

Clarice Sales

Quais são as primeiras impressões do Porto?

Durante os primeiros meses vivia entre o Porto e o Brasil e só agora, em janeiro, vim para ficar definitivamente. Ainda estou numa fase de adaptação e devo confessar que no início não gostava, mas acho que era sobretudo por sentir muitas saudades de casa. Estou a aprender a gostar do Porto. O Danilo passa muito tempo no clube, eu fico muito sozinha e, como sou bastante apegada à família, estranhei um pouco e passei por algumas dificuldades. Além disso, no Brasil tinha o meu emprego, a faculdade, amigos e deixei tudo para ficar ao lado de quem gosto.

O que está apreciar mais em Portugal?

Ah… é tudo muito diferente. Eu morava em Bicas, uma cidade com mais ou menos 18 mil habitantes, e aqui é outro Mundo. Ainda não tive oportunidade de conhecer muita coisa, mas já fui à Madeira e fiquei completamente apaixonada por aquela ilha. Foi dos sítios mais bonitos que já conheci até hoje. Na Madeira tudo é perfeito! No Porto, conheço apenas o centro da cidade e pouco mais, não houve ainda tempo para mais. Não sou apreciadora da comida, por exemplo, ao contrário do Danilo que gosta bastante, e isso também dificulta um pouco. Morro de frio e passo a vida a sonhar com o calor do Brasil. Nunca passei tanto frio na minha vida… (risos)

Que fazia em Bicas? Disse que trabalhava e estudava…

Trabalhava num banco. Comecei como escriturária, mas já fazia um pouco de tudo, pois era uma agência pequena e éramos poucos funcionários. Na faculdade, fiz um ano de administração de empresas e tranquei a matrícula porque tinha começado a trabalhar e havia a possibilidade de vir para Portugal. Entretanto, já tratei de tudo para retomar os estudos e vou continuar a fazer o curso desde o Porto. Aliás, começo as aulas ainda este mês. A minha ideia é concluir a minha formação académica.

E, nesse contexto, como conhece o Danilo?

Eu nasci em Juiz de Fora, a 40 km de Bicas, onde vive grande parte da minha família e onde passava parte das minhas férias e fins de semana. Entre os meus 10/11 anos, os meus pais abriram um supermercado em Bicas e acabámos por nos mudar para a cidade. Nessa altura, a senhora que ajudava a minha avó, e era vizinha da mãe do Danilo, perdeu o neto e eu conheci o Danilo no cemitério, durante o enterro. Conversámos e descobrimos que frequentávamos a mesma escola. Apesar de ele ser mais velho e andar dois anos à minha frente, tornámo-nos amigos, descobrimos vários amigos em comum e, durante vários anos, tivemos uma espécie de amizade colorida. Só em 2010 assumimos uma relação mais séria, depois do primeiro beijo no Carnaval. Em julho, começámos a namorar mas à distância, porque coincidiu com a saída do Danilo do América para o Santos. Ainda assim, e apesar de eu estudar e trabalhar, ao fim de semana visitava-o e passávamos algum tempo juntos. Quando o Danilo veio para Portugal, tudo ficou mais complicado. Só havia duas hipóteses, ou vinha com ele ou acabávamos. Optámos por continuar juntos.

Em Portugal, uma amizade colorida inclui beijos mas, pelos vistos, a vossa relação era diferente. Não percebi, quer explicar?

Nós tínhamos aquele ‘negócio’ de gostar um do outro, mas nenhum tinha coragem de assumir. Daí a amizade colorida. Durante um jogo do Campeonato do Mundo demos um beijo e, ao longo de uma semana, fomos ‘namoradinhos’, até que ele foi para o Santos. Conversávamos todos os dias, mas não tínhamos nada. Um dia, pela internet, ele perguntou-me se eu queria namorar e eu respondi que sim. E assim começou o nosso namoro, pela internet. E tem dado certo, com algumas discussões como todos os casais, mas estamos bem e juntos.

Conheceram-se num cemitério, começaram a namorar pela internet e, a julgar pelo anel no dedo, pretendem subir ao altar. Estão noivos, é isso?

É verdade! Quando, há um ano, o Danilo veio para o FC Porto éramos apenas namorados mas a nossa ideia era ficar juntos. Como não tínhamos nada muito sério, resolvemos oficializar a relação para criar maior estabilidade e também ganharmos alguma maturidade e segurança até decidir casar. Assim, quando ele foi no último verão ao Brasil ficámos noivos e, em agosto, viemos juntos para Portugal. Foi uma espécie de acordo entre nós, com os meus pais, e com direito a anel, também para poder sair de casa e vivermos juntos noutro país.

Nesse caso, quando é que o Danilo dá o nó? Já há data prevista?

Não. Ainda não está nada programado. Acredito que, quando estivermos preparados, tanto eu como ele, sentiremos que está na hora de dar esse passo. Para já, ainda somos muito jovens.

Conte-nos então como é partilhar casa e viver com o Danilo?

Na verdade não vivemos sós. Partilhamos casa com dois amigos e o irmão do Danilo. Mas para já está a correr bem. Nunca tinha vivido com ninguém e, para mim, é diferente daquilo a que estava habituada, mas entendemo-nos todos bem. A nossa relação é bastante tranquila, não temos grandes problemas e esta fase está a servir igualmente para nos conhecermos melhor. Devo dizer também que o Danilo é uma pessoa maravilhosa! Nunca conheci ninguém com tamanha bondade e que está sempre a pensar nos outros e em ajudar. O Danilo saiu do Brasil, cresceu mas não esquece as raízes, os amigos que lá ficaram e os pais por quem tem um respeito impressionante. Quando ele gosta de alguém, gosta mesmo e dá tudo.

E como é ele entre portas, no recato do lar?

O Danilo é muito extrovertido e, entre amigos, se solta mesmo. Quando está de folga ou de férias, não pode faltar o pagode. Ele adora fazer um churrasco, convidar os amigos e a família para casa, chamar um grupo de pagode e fazer a festa. Ele vai para o microfone e acha que é cantor, mas pior é que canta bem e fica todo convencido. Ele é bem eclético em termos musicais mas a preferência vai para o samba e pagode, apesar de o Danilo até louvor de igreja cantar (risos).

Ele também organiza esse tipo de convívios cá, ou só quando está de férias no Brasil?

No Porto também mas menos vezes e com um número mais reduzido de pessoas. Quando fazemos um churrasco normalmente é com os outros jogadores brasileiros do FC Porto ou só entre nós lá em casa. Como são vários os compromissos com o clube, quando ele está em casa gosta de passar algum tempo com os nossos dois cães, Lucy e Mel, a cuidar dele próprio e jogar ‘PlayStation’. Ele adora um jogo de tiros. E, como lá em casa já são quatro ‘meninos’, e os outros jogadores do FC Porto, o Alex, o Fernando, o Kléber e outros, também gostam, eles jogam online e é um vício! Se ele joga bem? O Danilo joga mais ou menos… ele vai me matar de estar a contar isto, mas se há dias em que ele mata um monte, há outros dias em ele não faz nada (risos)

E nas lides domésticas não colabora?

Por iniciativa própria, ele não faz nada mas, se for preciso, ajuda, põe a mesa, faz a cama e esse tipo de coisas. Na cozinha o máximo que ele sabe fazer é fritar um ovo… (risos) Na verdade, somos os dois um pouco ‘bagunceiros’ [desarrumados], mas como o Danilo é bastante vaidoso implica um pouco com as coisas fora do lugar.

Quão vaidoso?

Ele cuida-se bastante, muito mais que eu. Até fico impressionada. Preocupa-se em ter o cabelo sempre arranjado, a barba feita, depilação feita, colocar creme, perfume e uma série infindável de coisas. Só para o cabelo ele tem uns dez cremes, mais outros tantos para o corpo e vários perfumes. Ele gasta muito dinheiro com essas coisas, assim como com roupa e acessórios. Há dias em que ele é rápido para se arranjar, mas há outros que fica na dúvida que nem mulher.

E amigos, já fez muitos em Portugal?

São mais os jogadores brasileiros do FC Porto. Ainda assim, acho que o Danilo está mais próximo do Alex [Sandro], pois já são amigos desde os tempos do Santos e partilhavam o quarto nos estágios da Seleção. No meu caso, dou-me também muito bem com a Natália, a mulher do Alex, e com a Bruna, mulher do Fernando, também muito próximo do Danilo, tal como era o Kléber que, entretanto, voltou para o Brasil. A maioria das vezes jantamos todos juntos mas, em outras ocasiões, ‘rola’ outro tipo de programas. Já fomos, por exemplo, a Vigo e, às vezes, vamos todos almoçar a uma churrascaria. Há umas semanas o Hulk estava de passagem pelo Porto e almoçamos todos em casa do Fernando. Já no Réveillon eles [Fabiano, Maicon, Fernando, Kléber e Alex, com as respetivas famílias] juntaram-se em nossa casa. Mas, a bem da verdade, o Danilo dá-se bem com os todos os colegas, sejam eles portugueses, argentinos ou colombianos, apenas sente mais afinidade com o brasileiros… acho que por questões culturais.

Em termos profissionais, o Danilo está a dar-se bem e a apreciar o campeonato português e a Liga dos Campeões?

Está, o Danilo está a gostar bastante. Ele passou por uma fase complicada, com a lesão, mas isso já está superado. O Danilo está confiante, sente-se bem e adora o FC Porto. Eu acho que o clube, e falo por mim, prima pela diferença. Ele tem um apoio no clube, em termos de família, difícil de encontrar em outros clubes e, para nós, estrangeiros, dá uma segurança bastante grande e confortável. Sentimo-nos muito bem, à vontade e felizes porque eles, nesse sentido, fazem tudo para nos agradar.

Sente que vão festejar o campeonato a norte?

Claro! (risos) Estamos a torcer e eles a trabalhar para isso. Não há festa prevista, nem nada programado mas, se o FC Porto for campeão, vai haver pagode e o Danilo vai cantar!

Por onde passam os objetivos do Danilo?

Por evoluir, tornar-se no melhor jogador possível, fazer um bom trabalho na seleção brasileira e alcançar um bom resultado na Liga dos Campeões. Em termos pessoais, o Danilo quer muito ter filhos, ele adora crianças. Mas ele só tem 21 anos, é jovem e ainda tem muitas coisas pela frente e muito pelo que lutar.

A Clarice gosta de futebol?

Gosto, embora não entenda muito. Em criança torcia pelo Flamengo e o meu ídolo, curiosamente, era o Liedson, que agora está no FC Porto a jogar com o Danilo. Mas passei a gostar mais de futebol quando comecei a namorar o Danilo. Até troquei de camisola e de ídolo naturalmente (risos). Agora o meu ídolo é o Danilo! Ainda assim, o meu clube do coração continua a ser o Flamengo, apesar de torcer pelo FC Porto e ir a todos os jogos no Dragão. Aliás, no último jogo em casa, dei a minha vida naquelas bancadas, cantei, gritei e fiquei puxando pela equipa o tempo todo. Às vezes até consigo me comportar de forma discreta mas, quando o jogo pega fogo, não consigo ficar quieta.

Fonte: http://www.ojogo.pt

Alarmantes

Estou entorpecido.

Os números são maiores, claro, mas só na SOPA (Sociedade Protetora dos Animais) foram registrados 70 homicídios de cachorros em um mês na cidade de Bicas.

Dia 10 de março de 2013 na rua 15

Foto: Ricardo Rossi

Arquivos
Categorias